sexta-feira, 11 de março de 2016

Grupo Independente para Avaliação do Impacto Ambiental (GIAIA) publica novo relatório mostrando que as calhas dos rios Doce, Gualaxo e do Carmo estão seriamente afetadas

Qual é a situação ambiental ao longo da bacia do Rio Doce hoje, após o desastre da Samarco em Mariana (MG)? Haverá de fato recuperação ambiental e quando? Essas são algumas das questões que grupos de pesquisadores independentes estão tentando responder, de forma clara e imparcial. Entre eles, o GIAIA acaba de lançar o relatório "Análise da Comunidade Bentônica", revelando os resultados dos impactos da tragédia sobre os bentos (organismos que vivem no fundo do leito do rio). Os bentos são compostos por espécies de animais e plantas, cuja presença e diversidade é muito utilizada para avaliar a situação da conservação e alteração de ambientes. De acordo com a análise de ocorrência dos bentos, as calhas dos rios Doce, Gualaxo e do Carmo foram seriamente afetadas.

Os resultados ainda são preliminares e precisam ter continuidade, mas apontam que, ao longo dos 11 pontos de coleta, os pesquisadores encontraram poucos indivíduos bentônicos, e, em sete dos pontos, não foi encontrado nenhum indivíduo vivo. No relato, os únicos organismos encontrados vivos foram larvas de besouro, minhocas e alguns camarões. Comparando os resultados obtidos com levantamentos anteriores realizados na calha do Rio Doce, em seus afluentes e lagos, já havia uma baixa ocorrência destes organismos. Os pesquisadores atribuem isso à intensidade de ocupação do solo na região e à baixa qualidade de água em decorrência de ação humana.

O estudo enfatiza que “além dos organismos bentônicos terem sido afetados pelo rejeito de ferro, a comunidade do médio curso do Rio Doce, estava sofrendo com a poluição orgânica”. Outras questões devem ser consideradas em futuras expedições científicas, pois estes organismos têm sua ocorrência e riqueza influenciada por alterações e também pela densidade e constituição de sedimentos, conforme cita o estudo: “a enxurrada de lama de rejeitos carregou e eliminou esses organismos no momento do acidente”.

Existem muitas lacunas de pesquisa biológica e dos impactos na população humana atingida, que ainda precisam ser preenchidos. Houve intensa alteração na paisagem nas calhas dos rios afetados, e os estudos que o GIAIA acaba de apresentar demonstram que estamos apenas no começo do entendimento dos reais impactos socioambientais gerados pelo incidente.

Assim como esta, novas iniciativas têm surgido, abrindo mais possibilidades de investigação e produção de resultados, para consolidar uma base de dados confiável que possa estar à disposição das autoridades e da sociedade. Atualmente, está em curso o edital Rio Doce, idealizado por artistas que se sensibilizaram com a gravidade da situação e promoveram shows beneficentes em Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP). Os recursos obtidos por esta iniciativa foram destinados ao projeto coletivo #RiodeGente, do qual o Greenpeace participa como gestor do edital de pesquisas que está aberto a propostas até o dia 22 de março.

Serão apoiados projetos no valor máximo de 70 mil reais durante seis meses, totalizando R$ 350 mil reais. Leia aqui o edital e as respectivas linhas de pesquisa propostas pelo coletivo #RiodeGente. “Os temas buscam gerar resultado para ajudar a entender os impactos da tragédia e gerar dados independentes para o monitoramento da recuperação do meio ambiente e compensação justa para as pessoas”, explica Nilo D’Ávila, coordenador de campanhas do Greenpeace Brasil.

Leia a íntegra do relatório "Análise da Comunidade Bentônica" do GIAIA aqui.

Quer ser um dos pesquisadores a calcular o impacto dessa tragédia? Leia mais sobre o Edital Rio Doce aqui.

Saiba mais:

Relatos e histórias das vítimas da tragédia

Voluntários do Greenpeace protestam na sede da Vale

Greenpeace protesta contra BHP Billiton na Austrália

Resultados preliminares da água do Rio Doce

Abrolhos, a nova vítima da tragédia

Um Rio de Gente para ajudar Mariana