Pesquisar antes de recuperar

Notícia - 23 - mar - 2016
Foram recebidas mais de 50 propostas de pesquisa antes do fechamento do edital público que oferece um total de R$ 350 mil em recursos de doação para estudos independentes na região do Rio Doce

Arte: Greenpeace

Atualizado dia 7 de abril, às 11h04

Encerrou-se ontem (22), à meia noite, o prazo para a inscrição de projetos de pesquisa e de estudos independentes no Rio Doce, região afetada pela maior tragédia ambiental do Brasil. As propostas selecionadas receberão um financiamento de R$ 350 mil do projeto Rio de Gente, do qual o Greenpeace faz parte.

Foram quase 60 projetos inscritos em cinco diferentes áreas de pesquisa: fauna, flora, dinâmica das águas, impactos sociais e direitos das populações atingidas. Agora, a seleção final das propostas ficará a cargo de uma comissão formada por especialistas de diferentes áreas e organizações. Cada projeto será contemplado com no máximo R$ 70 mil reais a depender das necessidades apontadas na inscrição.

O resultado será divulgado pelo Greenpeace até o final de abril e a organização entrará em contato diretamente com os selecionados. A partir daí é pé na lama. Os pesquisadores terão seis meses para desenvolver seus estudos e apresentar os dados recolhidos à comissão examinadora. Encerrados os projetos, uma auditoria independente será realizada para analisar o uso dos recursos recebidos, e os dados serão publicados e disponibilizados da forma mais transparente possível.

“É de extrema importância a presença de equipes de pesquisa na área afetada. Pouco se sabe sobre as reais dimensões dessa tragédia. No entanto, sabemos que o primeiro passo para começar a recuperação da Bacia Hidrográfica do Rio Doce é compreender a fundo esse passivo socioambiental”, defende Fabiana Alves, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace.

Show de arrecadação

As chamadas públicas de pesquisas independentes só foram possíveis graças a decisão do coletivo #SouMinasGerais de promover shows beneficentes em Belo Horizonte e São Paulo. O objetivo era reverter toda a renda para ajudar os atingidos da tragédia, e assim foi feito: cinco editais foram abertos para apoiar projetos de pesquisa que ajudem a avaliar e a dimensionar os impactos causados pelo rompimento da barragem da Samarco.

Com um público total estimado em mais de 13 mil pessoas e uma arrecadação de R$ 450 mil, os dois shows juntos contaram com a participação de diversos artistas como Criolo, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Jota Quest, Emicida, Tulipa Ruiz, Ney Matogrosso, Fafá de Belém, Maria Gadú, Mariana Aydar, Nando Reis, entre outros. Todos participaram voluntariamente dos shows. Saiba mais: clique aqui.

Leia também: