Durante nossa Expedição para ver os corais da Amazônia, encontramos uma formação geológica inesperada que surpreendeu os cientistas e mostra o quão pouco sabemos sobre a região

Caterina Torresani, tripulante do Esperanza, opera a câmera submarina para observar o fundo do mar. (Foto: ©Marizilda Cruppe/Greenpeace)

A expedição do Espenraza no Brasil guardou uma surpresa para o final: uma descoberta geológica que muda tudo o que sabemos sobre a região da costa norte do Brasil.

Os mapas que mostram a geologia do fundo do mar onde estão os recifes de corais da Amazônia são superficiais e sem detalhes. Falam basicamente sobre fundos arenosos, fundos lamosos e fundos com fragmentos de corais e algas calcárias. Mas vimos aqui muitos fundos com rocha, o que não era esperado.

Veja as primeiras imagens dos Corais da Amazônia de baixo d'água

Em nossa expedição, a bordo do Esperanza, temos as coordenadas geográficas de onde estão os recifes de corais e é por elas que nos guiamos. E há um aparelho muito importante: um sonar, que percebe por meio de ondas a estrutura do fundo do mar. É por ele que sabemos a profundidade e se estamos em cima de áreas mais planas ou mais montanhosas.


Esse sonar nos indicou uma estrutura totalmente inesperada: no penúltimo dia de nossa expedição, na região sul dos recifes, nos demos conta de que estávamos em cima de um grande paredão rochoso com cerca de 70 metros de altura e 10 quilômetros de comprimento. “Apelidamos o paredão de Falha do Joel, uma homenagem ao capitão. Foi ele quem mapeou o paredão em nossa viagem”, conta Nils Asp, docente da Universidade Federal do Pará.

Vimos o paredão apenas com uma câmera submersa, mas ao que tudo indica, ele é feito de rocha ígnea e maciça, provavelmente granito. E no topo dele havia alguns corais. “Se comprovarmos que é realmente granito, vai ser algo bem importante. Não existe nenhum relato desse tipo de rocha numa área de 50 mil quilômetros quadrados aqui na plataforma em que estamos”, diz Nils.

Equipe a bordo do Esperanza opera imagens da câmera submarina, que mostra imagens do fundo do mar em tempo real. (Foto: ©Marizilda Cruppe/Greenpeace)

 A descoberta também se conecta à própria existência dos recifes da Amazônia. “Esses pontos rochosos podem ter colaborado para que os recifes existissem aqui”, diz Nils. 

Segundo Nils, se temos rocha, a topografia da bacia aqui da foz do Amazonas é diferente do que se imaginava – e mais complexa. E mostra que sabemos pouco sobre a região e precisamos conhecê-la melhor. “Isso pode ter implicações grandes até mesmo para a ecologia ou para a geologia do petróleo. Dá indícios sobre como essa região se formou e pode impactar nos planos da empresas petrolíferas que querem explorar a região”, ele afirma.

Agora sabemos que a região dos recifes da Foz do Rio Amazonas é mais complexa do que imaginávamos. E, por isso, mais do que nunca juntamos forças para nossa campanha Defenda os Corais da Amazônia crescer. E, assim, evitar que empresas explorem a região.

Thaís Herrero é jornalista, do time de comunicação do Greenpeace, a bordo do Esperanza.