O Greenpeace fez hoje um protesto em frente a uma das 12 lojas da Geox na Itália. Os ativistas colocaram um sapato gigante soltando fumaça em frente a loja da Geox em Milão e cobriram as janelas com imagens das queimadas da floresta simbolizando que os calçados produzidos pela marca destroem a Amazônia e o clima do planeta.

O relatório "A farra do boi na Amazônia", divulgado pelo Greenpeace no início desta semana, relaciona as marcas de calçados - incluindo a Geox - ao desmatamento da Amazônia.

Esta relação que até pode parecer estranha acontece pois várias grifes famosas, redes de supermercados e fábricas de automóveis compram produtos bovinos que saem de fazendas localizadas dentro da Amazônia. A Geox, por exemplo, compra couro de uma fábrica de curtumes de couro italiano chamada Gruppo Mastrotto. A pele comercializada por essa fábrica é fornecida pela Betin, empresa que recebe aniamis de fazendas com desmatamentos ilegais na Amazônia. Seguindo essa cadeia de custódia, fica claro o envolvimento da Geox com a destruição da floresta.

A indústria da pecuária é o maior vetor de desmatamento do mundo. A cada 18 segundos, um hectare de floresta é trasnformado em pasto na maior floresta tropical do planeta.

Após o protesto,a Geox  concordou em realizar uma reunião com o Greenpeace para discutir os dados do relatório.

©Greenpeace/Matteo Nobili