A Alemanha é, oficialmente, a primeira grande nação industrializada a ter um plano de abolir energia nuclear do seu território. A data para o fim de uma era de insegurança foi estipulada na madrugada de domingo, dia 29 de maio, por decisão da coalização de governo da chanceler Ângela Merkel: até 2022 não haverá mais reatores em seu país.

“Queremos que o futuro da nossa energia seja seguro e economicamente viável”, afirmou Merkel a repórteres. “Precisamos seguir um novo caminho”, complementou.

A decisão veio na rebarba dos acidentes em Fukushima, no Japão, que deixaram explícita a vulnerabilidade de um dos países mais avançados tecnologicamente do mundo frente aos perigos da energia nuclear. O povo alemão, que colocou nas urnas seu descontentamento com a política nuclear que Merkel estimulava, exerceu forte pressão em prol da decisão.

São 17 usinas nucleares na Alemanha, das quais sete já haviam sido fechados temporariamente após o incidente em Fukushima. Estas permanecerão inativas. As restantes se desligam nos próximos anos, sem cláusula de revisão. Juntas, as 17 usinas produziam menos de ¼ da energia alemã. Renováveis eram responsáveis por 17%, mas os planos são de expandir este valor para 50%.

“A Alemanha acaba de mostrar que bastam visão e vontade política para livrar um país dos riscos da energia nuclear, fonte que além de tudo é cara, suja e extremamente ultrapassada”, afirmou Jan Beranek, coordenador da Campanha Internacional de Nuclear do Greenpeace. “Japão, Suíça e Itália também já começaram a revisar suas políticas nucleares. Qualquer país que assim o quiser, pode fazer o mesmo”, concluiu.

 O recado parece dado para o Brasil. Com a decisão, afastam-se as possibilidades da Alemanha vir a honrar com o compromisso antigo de financiamento do projeto nuclear brasileiro. Dilma chorou por ele quando da visita do presidente alemão Christian Wulff ao Brasil. A resposta não foi animadora da parte alemã. Angra 3 ainda depende deste dinheiro – R$ 3 bilhões – e o BNDES, responsável pelo restante, já mandou avisar que se a grana não sair, vai botar a conta no bolso do consumidor. 

Protesto do Greenpeace na Alemanha pede pelo fim de nuclear no país. A população endossa o pedido. 

Leia mais:

Crônica da bagunça anunciada

Toneladas de urânio paradas por dias no pátio de um batalhão da polícia no interior da Bahia chegaram hoje ao seu destino final. Fim de uma trama de descaso do setor nuclear.