Em Xapuri, no Acre, próximo ao local onde Chico Mendes foi assassinado (Eduardo Arraes)

 

"Não resta a menor dúvida que nessa luta a gente tá convencido de que mais hoje ou mais amanhã algum companheiro vai perder a vida, alguém vai derramar sangue, porque nós estamos lutando contra um poderio econômico, o poder do latifúndio, no país do latifúndio", afirmou Chico Mendes, no documentário Chico Mendes, Um povo da floresta, de 1989.

Quando Chico proferiu essas palavras ele sabia que poderia estar entre as pessoas que iriam tombar na luta pela defesa da floresta e dos povos que vivem nela. Por seis vezes conseguiu escapar da morte anunciada. Inúmeras vezes ele mesmo denunciou seus algozes. Nada disso foi suficiente para impedir o seu assassinato, no dia 22 de dezembro de 1988, quando estava em casa com a família. Ao abrir a porta dos fundos, com a toalha nos ombros para ir tomar banho no chuveiro externo, Chico foi atingido por uma bala. Morreu na frente da mulher e dos filhos.

Em 1980, antes de Chico, outra liderança do Acre foi assassinada. Wilson Pinheiro, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasileia foi um pioneiro na luta pelos direitos dos seringueiros e povos da floresta. Assassinado na sede do sindicato. 

Em 2005 a missionária norte-americana Dorothy Stang foi assassinada, aos 73 anos, com seis tiros, em Anapu, sudoeste do Pará. Lutava pela implantação de um Projeto de Desenvolvimento Sustentável para aliar a agricultura familiar à preservação da floresta. Sabendo-se ameaçada, pouco antes de morrer declarou: "Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar". 

Em 2011 foi a vez do casal de extrativistas José Claudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, assassinados em Nova Ipixuna, sudeste do Pará, por denunciarem a ação de madeireiros, carvoeiros e grileiros no Assentamento Agroextrativista Praia Alta Piranheira. Em 2010, numa palestra, Zé Claudio declarou: “A mesma coisa que fizeram no Acre com Chico Mendes querem fazer comigo. A mesma coisa que fizeram com a Irmã Dorothy querem fazer comigo. Eu estou aqui conversando com vocês e daqui a um mês vocês podem saber a notícia que eu desapareci. Me perguntam: tenho medo? Tenho, sou ser humano, mas o meu medo não me cala”.

Histórias trágicas como essas continuam acontecendo num Brasil que se mostra orgulhoso de seu desempenho “moderno” no campo, mas nos bastidores se mantém inerte enquanto vê suas lideranças sendo assassinadas. Assim, o país vai anonimamente perdendo seus heróis, aqueles que estão na linha de frente na batalha contra o desmatamento, lutando por um interesse que é de toda a população. 

Segundo o último caderno “Conflitos no Campo”, publicado anualmente pela CPT (Comissão Pastoral da Terra), em 2012 a Amazônia registrou 489 conflitos no campo, 21 assassinatos e 229 pessoas ameaçadas de morte. 1 em cada 5 dos assassinados no campo em 2012 já havia recebido ameaças de morte. São pessoas que buscam uma realidade mais justa e sustentável numa terra que tem a falta de governança e a impunidade como marca.

Saiba mais:

A luta de Chico Mendes continua necessária. No Acre, por exemplo, o avanço dos madeireiros tem gerado inúmeros conflitos com as pessoas que vivem na floresta, como explica Darlene Braga, coordenadora da CPT no estado. A sede da CPT, órgão que atua junto aos trabalhadores no campo, foi invadida três vezes somente em janeiro de 2013, por grupos que deixaram recados em tom de ameaça nas paredes. 

“Aqui no Acre é tudo em nome de Chico Mendes. Tem rua, restaurante, tudo. Estão usando a imagem dele, mas na verdade os ideais pelos quais Chico lutava ainda estão muito distantes, infelizmente”, afirma Darlene.