"O aquecimento global está aqui" é a mensagem que foi deixada em uma área em Nova Iorque atingida pelo furacão Sandy, em 2012 (©Greenpeace)

 

“O mundo todo está vivendo uma situação de mudança climática que anuncia uma catástrofe em algum momento futuro”. É assim que Clóvis Rossi, colunista da Folha de S. Paulo, começa seu artigo publicado hoje no jornal.

Discutir as mudanças climáticas e planos de adaptação e propor soluções e medidas para que as emissões de carbono sejam reduzidas fazem parte da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace. A novidade que o artigo traz é que agora o empresariado também está preocupado com os rumos ambientais do planeta.

Encomendado pelo Fórum Econômico Mundial, o relatório “Riscos Globais 2013” produzido pelo escritório de risco da seguradora Zurich considerou o aumento das emissões de gases de efeito estufa como o terceiro maior risco global. E a incapacidade de adaptação à mudança climática foi vista como o risco ambiental com maiores efeitos de contágio para a próxima década.

Outra seguradora, a Munich Re, mostrou que o custo global de catástrofes naturais relacionadas ao clima foi, no ano passado, de R$ 325 bilhões. Quando as empresas começam a concordar com os alertas do movimento ambientalista é porque a situação está ficando realmente complicada.

Leia o artigo de Clóvis Rossi na íntegra aqui.