Leandra Gonçalves inicia sua palestra na UFPA, durante o FSM 2009

A última palestra promovida pelo Greenpeace durante o Fórum Social Mundial (FSM) deste ano foi realizada nesta sexta-feira no campus da UFPA, com o tema Áreas Marinhas Protegidas e o Combate ao Aquecimento Global. Leandra Gonçalves, coordenadora da campanha de Oceanos do Greenpeace falou sobre a importância dessas unidades de conservação para a proteção do mar e de sua biodiversidade, o risco de colapso de nossos estoques pesqueiros devido à pesca predatória e como os oceanos podem contribuir para enfrentarmos o aquecimento global.

A sala estava lotada e, apesar do calor, todos permaneceram atentos à palestra, que foi ilustrada por dois vídeos - um com ações do Greenpeace e o docudrama O Mar É Nosso? (veja o trailer aqui), que faz parte da campanha Entre Nessa Onda, que gerou ainda o relatório À Deriva - Um Panorama dos Mares Brasileiros.

Leandra explicou que a ONU recomenda a proteção de 20% dos oceanos por meio de áreas marinhas protegidas - com esse número devendo chegar a 30% no longo prazo. Para o Greenpeace, a proteção deve ser ainda maior - 40%. No entanto, temos hoje apenas 1% dos oceanos protegidos. No Brasil, são apenas 0,8%, considerando unidades de conservação estaduais e federais.

A falta de proteção e a pesca predatória têm sido, afirmou Leandra, as principais causas da redução dos recursos marinhos brasileiros. Cerca de 80% dos estoques pesqueiros estão ameaçados de colapso, principalmente espécies como sardinha, tainha, camarão e corvina.

Os oceanos também têm um papel importante no equilíbrio climático do planeta, explicou Leandra, por serem responsáveis pela absorção de grandes quantidades de CO2 da atmosfera e pela liberação de 50% do oxigênio que respiramos. E aquecido, a tendência é o mar, que cobre 71% da superfície da Terra, se expandir e afetar áreas costeiras, onde vivem boa parte da população mundial.

Ao final da palestra, Leandra respondeu a algumas perguntas, sobre como pressionar o governo brasileiro a criar as áreas marinhas protegidas, sobre o consumo de pescado e os riscos de atividades como a carcinicultura (criação de camarão), caça às baleias e como funciona uma instituição como o Greenpeace.

Colhemos alguns depoimentos de pessoas que estiveram presentes à palestra. Confira abaixo:

(Bruna Maria Martins, 19 anos, estudante de oceanografia)

-- --

(Girena Fernandes Ramalho, 22 anos, estudante de biologia)

-- --

(Jessica Correa Pantoja, 18 anos, estudante)

-- --

(Leandra Gonçalves comenta sua palestra no Fórum Social Mundial 2009)