Ativistas do Greenpeace interceptaram um navio quebra-gelo contratado pela Shell para a exploração de petróleo no Ártico. (©Greenpeace/Joerg Modrow)

Após o bloqueio do quebra-gelo finlandês Nordica, nesta semana, ativistas do Greenpeace voltaram a interceptar, em alto mar, o navio contratado pela Shell, em um protesto pacífico para impedir o início da exploração de petróleo da região do Ártico.

De propriedade do governo finlandês, o Nordica foi contratado pela petroleira multinacional para dar apoio às atividades de perfuração de poços de óleo no norte do Alasca, no Ártico –uma região de ecossistema sensível e condições climáticas extremas, onde um vazamento seria praticamente impossível de limpar.

Leia mais:

O Nordica foi interceptado na madrugada de hoje em água suecas, quando rumava para o Ártico. Seis ativistas escalaram o quebra-gelo e se acorrentaram a bordo. Eles pedem que a multinacional abandone seus planos de perfurar cinco poços de petróleo no Alasca neste verão. Neste momento, os ativistas resistem a bordo.

“Os planos irresponsáveis da Shell representam uma ameaça inaceitável a um lugar único da Terra”, disse Therese Jacobson, do Greenpeace Nórdico. “Estamos em uma encruzilhada. Ou decidimos proteger o Ártico ou permitimos que a Shell e outras corporações gananciosas destruam esta região preciosa. A escolha é clara: devemos proteger o Ártico.”

A Shell foi a primeira grande petroleira a colocar a região do Ártico como foco de suas atividades exploratórias. Se a multinacional tiver êxito em encontrar petróleo, a expectativa é que se inicie uma corrida sem precedentes na região, em busca das últimas reservas de óleo.

Um dos mais importantes santuários do mundo, o Ártico já sofre com os efeitos do aquecimento global e redução das calotas polares. Em 30 anos, a região perdeu 75% de seu gelo e as temperaturas lá estão aumentando em grande velocidade, se comparadas com outras partes do planeta.