Rosangela Maciel, mãe da ativista Ana Paula Maciel, no Parque da Redenção, em Porto Alegre, em roda de chimarrão da família. (©Greenpeace/Livia Pasqual)

A chuva em Porto Alegre deu uma trégua na manhã de domingo e encheu com as cores da primavera o Parque da Redenção, o mais importante da capital gaúcha e o preferido de Ana Paula Maciel.

A ativista de 31 anos, presa há mais de um mês na Rússia após protesto pacífico do Greenpeace, tinha como hábito tomar chimarrão aos domingos no local enquanto passeava pela tradicional feira de artesanatos.

Para demonstrar seu apoio e amor a Ana Paula, a família decidiu organizar hoje uma roda de chimarrão no parque que a gaúcha costumava frequentar.

“Convidamos amigos, tios e primos para transmitir nosso amor e mensagem de esperança a Ana Paula”, disse Rosângela Maciel, mãe da ativista. “Tomar chimarrão neste parque é uma das coisas que ela adora fazer quando está em Porto Alegre. Tenho certeza que, da próxima vez que nos reunirmos aqui, ela estará conosco.”

Ana Paula está presa na cidade de Murmansk, noroeste da Rússia, com mais vinte e sete ativistas e dois jornalistas desde o dia 19 de setembro. O grupo participou de um protesto pacífico contra uma plataforma de petróleo da estatal russa Gazprom, no mar de Pechora, região do Ártico.

Semana passada, Ana Paula teve negado o pedido de liberdade provisória –mediante fiança – para responder o processo em liberdade. Também semana passada, o comitê de investigação russo decidiu mudar as acusações de pirataria para vandalismo, um crime que pode render até sete anos de prisão.

“A acusação de vandalismo é tão absurda quanto a de pirataria. Está claro que nossos ativistas não são nem uma coisa, nem outra. Eles são jovens que sonham e lutam de modo pacífico por uma mundo melhor, em que o meio ambiente seja preservado”, disse Sérgio Leitão, diretor de políticas públicas do Greenpeace Brasil.

Libertem nossos ativistas