Senador Ricardo Ferraço, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, terá audiência com embaixador russo na próxima semana (© Lia de Paula/Agência Senado).

 

As moções de apoio à libertação da ativista Ana Paula Maciel, presa na Rússia desde o dia 18 de setembro, não param de chegar de diversas frentes. Mais dois requerimentos foram aprovados nesta quinta-feira (10) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal.

Um deles, apresentado pelos senadores Paulo Paim (PT-RS), Pedro Simon (PMDB-RS) e Ana Amélia (PP-RS), afirma que a comissão se coloca como “fiadora convicta” de que o processo de julgamento da brasileira ocorrerá dentro dos limites legais. O documento, portanto, reafirma a “carta de garantia” que o governo federal enviou ao governo russo no dia primeiro de outubro, pedindo que Ana Paula aguarde as investigações em liberdade e garantindo às autoridades o seu bom comportamento.

“(...) este Colegiado é fiador convicto de que o processamento desta cidadã brasileira ocorrerá dentro dos estritos limites de respeito à legalidade, aos princípios humanitários, à soberania dos povos e às diretrizes do correto congraçamento diplomático que regem nossas relações exterirores”, diz o documento.

Para o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, esse é mais um importante instrumento de pressão política. “Além do Poder Executivo, através do Ministério das Relações Exteriores, já ter se posicionado, agora é a vez do Senado também fazê-lo. O tratamento dado à ativista é desmedido e não faz sentido, já que o Parlamento está garantindo a sua custódia. Em nome das boas relações que mantemos com a Federação Russa, o governo russo deveria analisar com o devido decoro esse documento”, reforçou.

Leia mais:

Ferraço afirmou ainda que a Comissão irá informar o Itamaraty e a missão diplomática na Rússia sobre o ofício. Na próxima semana, o senador terá um encontro pessoal com o embaixador russo no Brasil, Sergey Pogóssovitch, onde irá debater, entre outros assuntos, o caso Ana Paula.

O outro requerimento apresentado na Comissão foi proposto pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e é um pedido endereçado diretamente ao governo de Vladimir Putin para que liberte a ativista.

“Esse requerimento que apresentei pedindo a libertação de Ana Paula às autoridades da Federação Russa reforça o requerimento da Comissão de Relações Exteriores. Acredito que o direito de protestar pacificamente não deve ser visto como um crime e que precisamos agir em todas as instâncias possíveis para que a ativista seja liberta o mais rápido possível.”

 Libertem nossos ativistas