Proposta vetada pelo primeiro-ministro da Coreia do Sul sugeria a caça a baleias-minke no país para fins "científicos". (©Paul Hilton / Greenpeace)

O Greenpeace Internacional confirmou na terça-feira a decisão do governo da Coreia do Sul de abandonar seus planos para iniciar uma operação de caça “científica” às baleias. Esse é um passo importante nos esforços globais para proteger populações de diferentes espécies deste mamífero.

A caça proposta, anunciada em julho, teria capturado baleias-minke para propósitos comerciais, escondendo-se sob uma tênue linha que eles denominam pesquisa científica. No mês passado, mais de 100 mil pessoas de todo o mundo enviaram mensagens para o primeiro-ministro sul-coreano, pedindo que cancelasse a operação.

 “As vozes dos habitantes do país e do mundo inteiro foram ouvidas pelo governo sul-coreano,” disse Jeonhee Han, da campanha de oceanos do Greenpeace Sudeste Asiático. “A decisão do governo sul-coreano de não iniciar a caça científica de baleias é outro sinal de que essa prática para fins comerciais não tem lugar em nossos oceanos. Nós incentivamos a Coreia do Sul a abandonar totalmente a caça comercial de baleias no futuro.”

Sob as regras da CBI (Comissão Baleeira Internacional), uma proposta formal para a caça “científica” foi expedida no dia 3 de dezembro. A CBI confirmou para o Greenpeace que não foi o governo sul-coreano que submeteu a proposta. Oficiais do país também afirmaram que a decisão de não prosseguir com a caça foi tomada alguns dias atrás.

 “O mundo não apoia a caça às baleias para fins comerciais, mesmo quando disfarçada de pesquisa científica. A decisão da Coreia do Sul de ouvir sua própria população, a comunidade global e abandonar o programa de caça às baleias é uma grande vitória para as baleias de todo o mundo,” acrescentou John Frizell, do Greenpeace Internacional.