Paredão de gelo instalado na av. Paulista, em São Paulo, fazia referência ao derretimento do Ártico. (©Greenpeace/Otavio Almeida)

A avenida Paulista, cartão-postal de São Paulo, costuma ficar toda enfeitada nessa época do ano. Em contraste com a alta temperatura do verão brasileiro, neve artificial, pinheiros, renas e bonecos do Papai Noel anunciam a chegada de mais um Natal.

Foi nesse cenário que ontem o Greenpeace adicionou um item à decoração da avenida: um imenso paredão de gelo de 4x2 metros derreteu às vistas do público, mostrando que a terra do bom velhinho, o polo norte, vai desaparecer se não tomarmos uma atitude urgente.

Leia mais:

Nos últimos 30 anos, o gelo Ártico do verão se reduziu em três quartos. Estudiosos preveem a possibilidade de, no verão de 2020, a extensão do gelo desaparecer completamente. Mas o que pode ser um problema para o restante do mundo é visto com bons olhos por algumas empresas petrolíferas, que terão os caminhos abertos para explorar com maior facilidade os cerca de 90 bilhões de barris de petróleo comprovadamente existentes, que suprem apenas três anos do consumo mundial do combustível. Tudo isso às custas do desaparecimento de todo um ecossistema, que será varrido do planeta.

Veja vídeo:

 

Existem formas de se gerar energia de fontes renováveis, frear o aquecimento global e proteger o Ártico. Infelizmente, quem tenta mostrar essa segunda via ao mundo acaba sendo punido. Isso foi o que aconteceu com os 28 ativistas e dois jornalistas que foram presos na Rússia após protesto pacífico contra a exploração de petróleo na região. Foi por eles também que montamos essa instalação na avenida Paulista.

O Ártico pode estar a milhares de quilômetros de distância. Mas o que acontece lá, pode ter impactos aqui também. Por isso, neste Natal, nosso presente é sua sensibilização. Junte-se a nós na proteção desse ecossistema único.

*Fabiana Alves é da campanha de Clima e Energia do Greenpeace