Pesquisa recente encomendada pela ONG Amigos da Terra ao Datafolha revela uma vontade esmagadora da população brasileira pelo fim do desmatamento na Amazônia. Noventa e três por cento dos entrevistados – de um total de 2055 – se declararam a favor do Desmatamento Zero para a Amazônia e grande parte toparia inclusive reajustes de preços nos produtos agrícolas em troca do fim da destruição da floresta. 

E porque não fazemos, então?

A resposta está na falta de vontade da maioria das autoridades, aliada com o oportunismo político de outras. Hoje, muitos deputados, senadores e até ministros preferem alimentar a briga “meio ambiente versus agricultura” para ganhar o direito de se auto-nomearem como defensores de um desses lados, garantindo votos para a próxima eleição. Para chamar a atenção da mídia vale tudo: desde anistia aos crimes ambientais, premiando a ilegalidade, até manipulação de dados e informações.

 Um exemplo é o que aconteceu no Senado no último dia 29 de abril. O pesquisador da Embrapa, Evaristo de Miranda, participou de uma audiência pública para convencer a todas as comissões, que seu estudo, intitulado "O Alcance da Legislação Ambiental Territorial", comprovaria a necessidade de permitir mais desmatamentos no país, uma vez que a legislação ambiental brasileira constituía uma barreira para a produção no campo. 

A história mal-contada durou pouco. Quando perguntado, por exemplo, se a pesquisa refletia o pensamento da Embrapa, pela qual se apresentava, Evaristo de Miranda não respondeu. No mesmo dia, diversos técnicos da instituição declararam que o estudo era uma farsa. Nos últimos tempos, os dados apresentados viraram uma espécie de bíblia anti-ambiental da bancada ruralista no Congresso, mas a pesquisa apresenta erros de metodologia e cálculo, e não considera vários aspectos da legislação atual.

Enquanto alguns eleitos brincam de bancar o herói em nome de quem produz, nossas florestas continuam sendo derrubadas de forma ilegal e o agronegócio continua se expandindo de forma irregular na direção errada.

Peça para o governo Lula firmar o pacto pelo desmatamento zero, assinando nossa petição aqui.