Ativistas do Greenpeace entram na planta nuclear de Forsmark, na Suécia, para demonstrar a falta de segurança das usinas no país (©Greenpeace)

 

Mais de 70 ativistas do Greenpeace entraram nas usinas nucleares de Ringhals e Forsmark, na Suécia, para provar a vulnerabilidade da segurança das mesmas e para pedir para a Ministra do Meio Ambiente da Suécia, Lena Ek, que ordene o fechamento dos perigosos reatores nucleares no país.

Quase todos os ativistas foram presos, mas quatro conseguiram permanecer escondidos em Ringhals e outros três em Forsmark, apesar da Vattenfall, uma das empresas operadoras das usinas, afirmar que o trabalho de segurança funcionou perfeitamente.

Hoje cedo, Isadora Wrosnki, da Campanha de Energia do Greenpeace Suécia, revelou que ainda estava no telhado de Ringhals, 28 horas após a entrada na usina. Depois disso, houve uma busca intensa para encontrar os ativistas escondidos. 

“O teste de segurança que simulamos provou que as plantas nucleares suecas são inseguras. Elas são um risco para o público, não apenas para as pessoas que vivem próximo à elas, mas para toda a região nórdica”, disse Wronski antes de deixar a planta de Ringhals. “Peço urgentemente que a Ministra do Meio Ambiente feche essas usinas”.

Na semana passada, a Comissão Europeia publicou um documento sobre os testes de estresse realizados pelos operadores e reguladores nas plantas nucleares europeias, revelando sérios problemas de segurança.

Ringhals, em particular, foi muito criticada por suas falhas de segurança e por um relatório publicado por Oda Becker, pesquisadora independente de energia nuclear concluiu que as plantas nucleares suecas deveriam ser fechadas por problemas de segurança.

O protesto forçou Lena Ek, que até então não havia se pronunciado sobre o assunto, a convocar uma reunião com os operadores das plantas, E.On e Vattenfall, e exigir explicações pelas falhas de segurança.  

Martina Krueger, da Campanha do Greenpeace Nórdico, afirmou que "uma vez que as operadoras claramente não atendem aos padrões de segurança necessárias, a Ministra do Meio Ambiente deveria fechar as usinas no país".