Rebanho pastando em grande área na Amazônia. © Ricardo Funari/Lineair / Greenpeace

A JBS, a Marfrig e a Minerva, as três maiores indústrias de processamento de carne bovina do país, se comprometeram a apresentar publicamente os esforços que estão fazendo para eliminar o desmatamento de sua cadeia de produção.

Em outubro de 2009, esses frigoríficos assumiram o compromisso de não mais comprar carne de fazendas que desmataram a floresta amazônica a partir desta data. Também não entram na lista de fornecedores propriedades que usam mão de obra análoga à escrava ou estão localizadas em terras indígenas e unidades de conservação.

Quatro anos depois, em nota divulgada por cada uma das empresas, elas afirmam que irão tornar público, até o final de março de 2014, os resultados sobre a auditoria que avalia, sob critérios comuns, o sistema de bloqueio de fornecedores que estão em desacordo com as exigências do compromisso. Esse sistema é fundamental, pois, ao deixar de comprar de propriedades que destroem as florestas, os frigoríficos desestimulam essa prática e contribuem para o fim do desmatamento.

Também será divulgado um plano de trabalho com metas e prazos para o cumprimento integral do compromisso.

“Cada vez mais as pessoas se preocupam com o que estão levando pra casa, e ninguém quer consumir desmatamento ou trabalho escravo”, afirma Adriana Charoux, da campanha Amazônia do Greenpeace. “Ao tornar públicos os dados sobre o acordo, os frigoríficos tornam suas práticas mais transparentes e permitem que os cidadãos possam acompanhar de perto o andamento do compromisso”, completa.

“É com iniciativas como essas que o setor produtivo assume sua responsabilidade e contribui para aumentar a governança na Amazônia e combater o desmatamento”, afirma Charoux.

Comunicados oficiais dos frigoríficos:

JBS

Marfrig

Minerva