Kumi Naidoo durante a nomeação do Public Eye Awards

 

Kumi Naidoo, diretor-executivo do Greenpeace Internacional anunciou no Fórum Econômico Mundial em Davos o resultado do Public Eye Award, prêmio promovido pelo Greenpeace Suíça e pela Declaração de Berna sobre empresas que atuam com condutas socioambientais negativas. Nesse ano, a gigante têxtil Gap foi escolhida pelo júri e a petrolífera Gazprom foi a eleita pela votação popular, dentre os 280 mil votos computados.

A indicação da Gap pelo Fórum Internacional de Direitos Trabalhistas deveu-se principalmente ao fato de que, mesmo após o pior acidente industrial de Bangladesh – a queda do Rana Plaza Factory, que deixou 1100 mortos e muitos feridos -  a empresa se recusou a assinar um acordo pela segurança de edificações e incêndios em Bangladesh. Em vez disso, continua minando as opções de compromisso com seus fornecedores para melhorar as condições de trabalho de milhares de pessoas. 

Já a Gazprom, diretamente ligada à prisão dos 30 do Ártico, deixou clara a sua posição ao promover a exploração de petróleo em uma região única e ameaçada. Os perigos dessas operações foram reportados amplamente na mídia internacional, colocando a estatal Russa em maus lençois. “Pessoas de todo o mundo condenaram a Gazprom hoje por sua falta de segurança, transparência e respeito ao meio ambiente. Um movimento de mais de 5 milhões de pessoas foi formado para cobrar um santuário no norte do globo, que possa manter empresas como Gazprom e Shell longe do frágil Ártico”, afirmou Kumi Naidoo.

Veja como foi a votação popular no site.