Após quase dois anos do acidente em Fukushima, no Japão, a prefeitura da cidade decidiu investir em energia eólica e construirá o maior parque eólico do mundo (©Greenpeace/Rogério Reis/Tyba)

 

Quase dois anos após a tragédia de Fukushima, o Japão tomou uma sábia decisão. A prefeitura da cidade decidiu optar por uma matriz energética limpa e menos perigosa do que as usinas nucleares e irá construir o maior parque eólico offshore do mundo até o final de 2020. As torres eólicas serão instaladas no mar e substituirão o uso da energia nuclear de uma vez por todas.

A iniciativa faz parte do plano que o Japão tem de abastecer completamente o país com energias renováveis até 2040, principalmente com energia solar e eólica. Desde o acidente em Fukushima, as 54 usinas nucleares existentes foram fechadas e apenas duas reabertas.

Em Fukushima, serão construídas 143 turbinas localizadas a 16 quilômetros da costa. O parque eólico providenciará 1 GW de potência, o equivalente ao que todos os parques eólicos brasileiros produzem juntos. O Japão dá um excelente exemplo de que com investimentos adequados e vontade política é possível vencer desafios tecnológicos e ter uma matriz energética limpa e renovável.