O comprometimento dos EUA com a redução das emissões de CO2 não passa de uma maquiagem nos números e está bem abaixo do ideal para impedir que as temperaturas atinjam os 2º C. Um projeto aprovado pela Câmara dos Deputados americana e que agora aguarda avaliação no Senado propõe uma redução de 17% das emissões a partir do índice de 2005 e não baseado nas emissões de 1990, como estipula o Protocolo de Kyoto. Trocando em miúdos, esses 17% de redução significam módicos 3% quando a conta é feita em relação às emissões de 1990. Para evitar os piores efeitos do aquecimento global, precisamos reduzir as emissões entre 25% e 40% até 2020, em relação ao nível de 1990, e não tendo 2005 como ano base. Essa definição de metas insatisfatórias foram definidas em grande parte porque as indústrias de combustíveis fósseis influenciaram a revisão da legislação.