O lançamento hoje do nosso relatório A Farra do Boi na Amazônia, após três anos de investigações, é um grande passo para mudar o 'status quo' da destruição na região, expondo a responsabilidade da pecuária, frigoríficos, governo (BNDES) e famosas marcas varejistas (como Carrefour, Wal-Mart, Adidas, Nike, BMW e Timberland, entre outras) pela destruição da floresta. Atualmente, 80% das áreas desmatadas na Amazônia estão ocupadas por bois que alimentam uma extensa cadeia comercial, que vai do bife ao tênis da moda.

O próximo passo é tão importante quanto o lançamento do relatório: fazer com que todos os envolvidos sentem à mesa para discutir o problema e encontrar soluções.

"A pecuária é incompatível com o bioma amazônico, mas hoje é impossível acabar com a pecuária na região. Temos que encontrar soluções para que a atividade não destrua ainda mais a floresta", afirma André Muggiati, coordenador da campanha de pecuária do Greenpeace.

"Estamos jogando luz no problema", afirma Paulo Adario, diretor da campanha de Amazônia. "Cabe agora ao governo brasileiro e às empresas envolvidas atuarem para encontrar uma solução que preserve a Amazônia", disse ele durante a coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, em São Paulo, que também foi transmitida online. Representantes de algumas das empresas citadas, como Carrefour e Bertin (frigorífico), participaram online da coletiva, mas não questionaram os dados do relatório apresentados durante o evento.

A coletiva foi tuitada no canal @Greenbrasil.