Mais indícios de vazamento de petróleo da costa brasileira. Dessa vez foi no Campo de Roncador, operado pela Petrobras, e vizinho ao Campo de Frade, aquele mesmo onde em novembro passado houve o maior vazamento de óleo já registrado no país, causado pela norte-americana Chevron.

As informações ainda são desencontradas e controversas. Em nota à imprensa, a Petrobras alegou que as amostras coletadas não detectaram a presença de óleo, mas de parafina, um fluido da operação de exploração.

De qualquer maneira, é preocupante a crescente frequência com que estes acidentes começam a pipocar. Fica cada vez mais claro que nem o governo, nem as empresas estão preparadas para proteger o meio ambiente dos desastres provocados pela exploração petrolífera em alto-mar.

O governo brasileiro é anfitrião da Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, e deveria dar o exemplo de como construir o futuro que nós queremos – verde, limpo e justo!

*Leandra Gonçalves é coordenadora da campanha de Clima & Energia do Greenpeace