CIJ suspende o programa de caça de baleias no Japão. (©Scott Portelli/Greenpeace)

 

Os juízes da CIJ (Corte Internacional de Justiça) declararam, hoje, a suspensão imediata do programa de caça às baleias, subsidiado pelo governo japonês. Conhecido como “Programa Científico de Baleias”, o projeto usava o nome como pretexto para, na verdade, caçar baleias na costa pacífica.

Além de contribuir para a extinção dos animais, o programa é prejudicial aos oceanos. A indústria da carne de baleia está entrando em colapso no Japão. Estatísticas apresentadas pelo Greenpeace, em pesquisa realizada no Japão, mostram que 80% dos entrevistados são contra a existência de navios baleeiros e 85% não sabiam que espécies raras de baleias eram alvos de navios japoneses no Oceano Antártico.

A historia da caça de baleias é desastrosa. De acordo com a pesquisa  apresentada pela Austrália, o Japão caçou 10 mil baleias entre1987 e 2009. O ato já havia sido denunciado pelo Greenpeace, por grupos de ambientalistas e por governos ao redor do mundo, porém o Japão continuou com o programa, sob o pretexto de um projeto científico.

Em 2010, a Austrália, primeiro país a abraçar a causa, entrou com um processo na CIJ, denunciando o Japão sobre a prática de caça à baleia em escala comercial e de acobertá-la como um programa de investigação científica. Com apelo internacional e milhares de petições assinadas, a Corte Internacional proibiu a caça de baleias no país.

Diante da notícia, Tom Ganderton, da campanha de Oceanos do Greenpeace Austrália, disse que “precisamos dar um fim a caça comercial de baleias, para que possamos conservarmos as últimas populações de baleias do mundo que são atingidas pelo aquecimento global e pela pesca predatória”.

Com a suspenção do projeto japonês, a causa pela proteção das baleias ganha um grande aliado, a lei. “O Greenpeace continuará trabalhando ao redor do mundo defendendo as baleias e os oceanos. Hoje, temos que compartilhar esta boa notícia pelos seis continentes”, completou Ganderton.