Primeira marcha climática na região do Golfo reúne cerca de 300 pessoas para cobrar liderança dos negociadores na COP-18.

 

Dia histórico para o movimento climático global, especialmente para os países árabes. Na manhã deste sábado, a cidade de Doha, no Qatar, realizou a primeria marcha do clima dos países do Golfo Pérsico. Cerca de 300 pessoas se reuniram na orla da capital, que recebe a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-18), para pedir mais liderança, ambição e comprometimento por parte dos negociadores.

Aos gritos de “Líderes, uní-vos” e “Sua ação, nossa sobrevivência”, ativistas de países árabes como Qatar, Mauritânia, Marrocos, Jordânia, Líbia, Tunísia, Emirados Árabes, Palestina, Líbano, Iraque, Argélia, Sudão, Omã, Egito e Bahrein se juntaram para exigir medidas urgentes para reduzir as mudanças do clima. Considerado um dos países islâmicos mais conservadores, o Qatar surpreendeu ao liberar a passeata pública.

A manifestação contou com o apoio de organizações regionais e internacionais como IndyACT, Doha OASIS, 350.org, Rede de Ação Climática - da qual o Greenpeace faz parte - e a campanha global TikTikTik, além de jovens que participaram da primavera árabe e agora estão organizados no recém-criado Movimento da Juventude Árabe pelo Clima. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) também esteve presente representando a luta dos brasileiros imigrantes no país.

Ativistas de países árabes pediram maior liderança de seus representantes (© Greenpeace).