O ex-mecânico Hélio Moreira de Moura, uma das vítimas do acidente com césio-137 ocorrido em 1987, ganhou na quinta-feira (18/6) o direito de receber uma pensão especial por ter sido contaminado pelo material radioativo encontrado no prédio desativado do Instituto Goiano de Radioterapia, em Goiânia (GO). Hélio, ex-funcionário da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), desenvolveu tumores que provocam feridas na pele e vinha pleiteando a pensão desde 2002, após ter tido seu nome incluído no rol de contaminados do acidente, conforme publicação no Diário Oficial.

No estado de Goiás já são mais de 400 pessoas que recebem pensão por terem se contaminado com o césio-137. Outras 800 vítimas reivindicam a indenização. Segundo a Associação de Vítimas do Césio-137, mais de 6 mil pessoas foram atingidas pela radiação, entre funcionários que fizeram a limpeza no local do acidente, funcionários da Vigilância Sanitária de Goiânia, policiais militares, bombeiros, vizinhos e familiares.

Conheça aqui a história do pior acidente radioativo do Brasil.