Além de receber o título de miss desmatamento em 2009, a digníssima senadora já foi vencedora do troféu motosserra de ouro em 2010 (©Ivan Castaneira/Greenpeace).

 

Para quem andava um pouco apagadinha nos últimos tempos, a senadora Kátia Abreu (PSD-TO) parece estar querendo os holofotes de volta para si. Os rumores de que um possível racha na bancada ruralista do Congresso Nacional tinha colocado o cargo da presidência da CNA em jogo devem ter feito ela se sacudir nas cadeiras e voltar a honrar o seu posto de rainha do agronegócio (conservador) brasileiro.

Depois de apresentar um dos estudos mais controversos já produzidos sobre Terras Indígenas e Unidades de Conservação, dessa vez ela foi mais longe e protocolou, no Senado Federal, um projeto de lei que visa a proibir a demarcação de terras que tenham sido retomadas por índios durante os dois anos subsequentes à ocupação. O projeto atenta não só contra a Constituição, mas também contra o bom senso.

A proposta inverte a lógica fundiária na mais pura manobra política. Do dia para a noite, indígenas passam a ser vistos como invasores de seus próprios territórios, ocupados tradicional e originariamente, quando estes estejam tomados por fazendeiros ou grileiros que só pretendem expropiar os seus recursos naturais.

A ofensiva anti-indígena no Congresso não tem limites. A bancada ruralista já mostrou que não pretende poupar esforços para conseguir tirar dos povos tradicionais o que lhes é de direito. Para isso, não se esquivam de manipular dados e informações. Até onde se sabe, quem invade e ocupa as Terras Indígenas são exatamente os não indígenas. Basta ver a História do Brasil: há mais de 500 anos, a investida genocida continua a mesma, os atores é que estão ligeiramente mudados”, rebateu Rômulo Batista, da Campanha Amazônia do Greenpeace.

A verdade é que não importam as táticas e estratégias, mais ou menos violentas de acordo com o contexto. Todas elas visam exatamente à invasão e à desapropriação das Terras Indígenas e demais áreas dos povos tradicionais e pequenos produtores. Mas a sociedade está alerta – e do lado daqueles que ajudam a cuidar e a preservar um dos bens mais preciosos dos brasileiros: as florestas e sua biodiversidade sem paralelos.Entre para a Liga das Florestas