Ativistas seguram faixa com a mensagem "Descubra a verdade suja sobre a ENEL" em frente à sede da empresa na Itália (©Greenpeace/Francesco Alesi)

Em março desse ano, o Greenpeace publicou um relatório mostrando que a Enel, maior empresa do setor de energia da Itália, é uma das responsáveis pelo considerável aumento dos níveis de poluição globais. Por produzir energia predominantemente a partir da queima de carvão, a empresa tornou-se líder isolada na emissão de CO2 na Itália: foram 26 milhões de toneladas só em 2010. As estimativas foram baseadas em informações oficiais da Agência Europeia de Meio Ambiente.

Além disso, a publicação mostrou que as emissões de gases provenientes da queima de carvão feita pela empresa provocam a morte de 350 pessoas anualmente na Itália, relacionadas a problemas de saúde.

Mesmo com as evidências de que o Greenpeace está fazendo um trabalho sério, a empresa italiana recorreu à Justiça para tentar tirar do ar os relatórios do Greenpeace. A companhia não se deu nem ao trabalho de checar a precisão das informações, como os próprios representantes da campanha pediram.

Apesar dos esforços da Enel, a Justiça tomou decisão favorável ao Greenpeace, afirmando que a organização não fez nada de errado em divulgar informações de interesse público, e que todas os dados publicados estão corretos. Fazer reivindicações junto à Enel é um direito que foi reconhecido também pela Justiça italiana.

Após essa vitória nos tribunais, espera-se que a Enel perca menos tempo em tentar deter os protestos pacíficos do Greenpeace e assuma suas responsabilidades ambientais, inclusive a de reverter seus investimentos em fontes de energias renováveis.