Com lançamento previsto para 9 de novembro, novo documentário do Al Gore mostra os efeitos do aumento das temperaturas da Terra e os caminhos da negociação até o Acordo de Paris

Cartaz do documentário, que estreia dia 9 de novembro no Brasil.

Quando em uma das cenas finais de seu novo documentário, Al Gore questiona quanto tempo o movimento para combater a crise climática levará para triunfar, ele recorre a uma frase de Martin Luther King para responder "não muito". "Porque nenhuma mentira pode durar para sempre. Quanto tempo? Não muito porque o arco moral do universo é longo, mas este inclina-se em direção à justiça", cita. 

Seu segundo documentário, chamado Uma Verdade Mais Inconveniente, estreia no Brasil no dia 9 de novembro e traz a mensagem esperançosa de que o movimento para combater o aquecimento do planeta – e cortar emissões de gases que agravam o fenômeno – está num ponto de virada. E vemos com exemplos da história que o caminho é longo, mas que chegaremos lá. Nesse ponto de virada já estiveram movimentos como o da abolição, como o movimento anti-apartheid décadas atrás e o do direito ao voto às mulheres. Esses movimentos, diz Al Gore, fizeram a sociedade escolher sobre o que era certo ou errado.

O documentário mostra como as mudanças climáticas já estão afetando grande parte da população mundial. Seus efeitos são vistos em inundações em cidades ricas, como Miami Beach e Nova York. Mas também – e em maior gravidade – em países em desenvolvimento, como as Filipinas. Em 2013, o país asiático vivenciou o maior tufão já registrado na história, que deixou milhares de mortos e desabrigados. E retrata os caminhos até a assinatura do Acordo de Paris – e o seguido retrocesso, quando Donald Trump tirou os Estados Unidos do acordo. Mesmo assim, 169 países já ratificaram o acordo, e a mudança está a caminho.

Assista ao trailer do filme.

Cine-debate

Na noite de 24 de outubro, o Greenpeace participou de uma sessão especial do documentário, seguida de um debate. Entre os convidados estavam Fabiana Alves, especialista em Clima do Greenpeace Brasil, Alfredo Sirkis, representando o The Climate Reality Project, André Nahur,  coordenador do Programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil e Delcio Rodrigues, da ClimaInfo como mediador.

Entre os temas levantados por eles e pela plateia estiveram os retrocessos da agenda política atual. O governo brasileiro, apesar de ter assinado o Acordo de Paris, aprova no Congresso um pacote de retrocessos à legislação ambiental brasileira, que podem aumentar o desmatamento na Amazônia, um dos principais fatores de emissão do país.

Para o Brasil, as consequências do aumento da temperatura global já estão acontecendo. E foi consenso entre os participantes e a plateia que as mudanças climáticas são um problema ambiental e social. Aumento da seca, diminuição da produção de grãos e inundações são apenas alguns exemplos de realidades que já acontecem aqui. O Nordeste seria uma das regiões mais afetadas no Brasil. E cidades como Santos e Rio de Janeiro poderiam ter parte de suas infraestruturas destruídas pelo aumento do nível do mar.

Apesar do contexto negativo da política brasileira e da saída de Trump do Acordo de Paris, o mundo caminha para adotar políticas concretas que revertam as mudanças climáticas. O mundo deve resistir aos retrocessos e continuar o caminho em direção à diminuição das emissões de CO2 e às energias renováveis.