Qualidade do ar em Pequim foi a "pior já registrada" no sábado e no domingo. (©Kuang Yin/Greenpeace)

 

No último final de semana, Pequim esteve coberta por uma densa névoa seca de poluição. A qualidade do ar foi considerada a “pior já registrada” e o centro de monitoramento de poluição da cidade advertiu os moradores sobre as péssimas condições do ar – a poluição estava de 30 a 45 vezes acima dos níveis de segurança - e recomendou que a população permanecesse em casa.

As partículas com menos de 2,5 micrômetros de diâmetro chegaram a mais de 600 microgramas por metro quadrado em algumas estações de monitoramento em Pequim, sendo 20 o nível diário recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A Organização estima que a poluição do ar é responsável por causar a morte de 1,3 milhão de pessoas no mundo todos os anos além de ser a principal causa da asma e de doenças respiratórias.

“Essa é realmente a pior poluição já registrada, não apenas de números oficiais, mas também de números de monitoramento da embaixada norte-americana. Algumas áreas na província (vizinha) de Hebei estão ainda piores do que Pequim”, disse Zhou Rong, da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace Leste Asiático.

A poluição foi identificada como um dos grandes desafios a ser solucionado na China. O presidente Hu Jintao afirmou durante seu discurso no Congresso do Partido Comunista em novembro passado que o país precisava “reverter a tendência de deterioração ecológica e construir uma bela China”.

Quer saber mais sobre a campanha do Greenpeace sobre poluição do ar? Clique aqui. (em inglês)