Plantação de óleo de palma na Indonésia. (©Ulet Ifansasti/Greenpeace)

 

Os números resumem bem o tamanho do esforço de milhares de pessoas ao redor do mundo para pedir a Procter & Gamble (P&G) o fim do rastro de destruição deixado pelos seus produtos nas florestas tropicais da Indonésia.

Foram quase 400 mil pessoas ligando e enviando suas mensagens diretamente à empresa nessas últimas semanas, além de um protesto pacífico na sede da P&G em Cincinnati, Ohio.

“Somente do Brasil, aproximadamente 50 mil emails foram enviados diretamente ao presidente da P&G. Realizamos um vídeo paródia de um comercial da empresa que foi amplamente divulgado nas redes sociais, além de protestos em supermercados de oito capitais, expondo aos consumidores a relação do shampoo Head&Shoulders com o desmatamento”, explica Cristiane Mazzetti, da campanha de florestas do Brasil. 

Protesto em mercados de oito capitais do Brasil contra produtos da P&G. (©Greenpeace)

 

Resultado: o mundo virou sua atenção à P&G e à destruição causada pela indústria do óleo de palma. Como resposta, a Procter & Gamble cedeu e se juntou a um grupo de empresas já comprometidas com o fim do desmatamento, como a Nestlé, L’Oreal, Colgate-Palmolive, Unilever, entre outras. Trata-se de uma mudança real no coração da indústria do óleo de palma, promovida justamente por nós, sociedade civil.

É claro, embora sejam notícias encorajadoras, ainda há trabalho a ser feito. O sistema proposto pela P&G de rastreamento da origem do óleo de palma tem como meta um fornecimento 100% livre de desmatamento até 2020.

“São mais seis anos onde fornecedores podem desmatar, prejudicando ainda mais a floresta, os animais e os povos que dela dependem” explica Mazzetti. Segundo ela, o Greenpeace continuará atuando constantemente na região para acompanhar de perto a implementação dessa nova política da P&G, além de pressionar a empresa por atitudes imediatas para lidar com fornecedores irregulares.