Liberar a destruição sem critério é a solução? foto: Greenpeace/Rodrigo Baleia
Liberar a destruição sem critério é a solução? foto: Greenpeace/Rodrigo Baleia

A Câmara dos Deputados aprovou na semana passada uma medida  para acelerar as obras de infra-estrutura previstas no PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), capitaneado pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Em um ato de oportunismo político, o deputado petista José Guimarães (CE) “enxertou” na Medida Provisória (MP) 452 uma emenda que dispensa de licenciamento ambiental prévio as obras em rodovias brasileiras. Originalmente, a MP 452 tinha como propósito modificar a lei que cria o Fundo Soberano do Brasil (FSB). Como se não bastasse, a emenda estabelece ainda prazo máximo de 60 dias para a concessão da licença de instalação. Ao final desse prazo, a licença será automática. A destruição da Amazônia não provoca apenas perda acelerada da biodiversidade e impactos no modo de vida da população local. O desmatamento é também a principal fonte de emissões de gases do efeito estufa no Brasil, colocando o país na posição de quarto maior poluidor do clima global. O futuro da floresta – e das futuras gerações – depende das escolhas que fazemos hoje. Clique aqui e envie uma mensagem aos senadores contrária à aprovação desta emenda e a favor do desmatamento zero.

Desmatamento zero. É agora ou agora!