Neste final de semana, 450 ativistas de 6 países foram às ruas para se opor à petrolífera francesa Total e denunciar os riscos de explorar petróleo perto dos Corais da Amazônia.

Em São Paulo, os ativistas foram a uma loja da Total para mostrar que não aceitam o risco de um vazamento que possa afetar os Corais da Amazônia (Foto:© Ligia Nogueira de Lima / Greenpeace)

Do Rio de Janeiro a Kuala Lumpur. De Paris a Istambul. De Amsterdã a Luxemburgo. Neste final de semana, dezenas de cidades ao redor do mundo foram palco de uma imensa mobilização liderada por voluntários e ativistas do Greenpeace. Em todos os locais e entre todas as pessoas o desejo era o mesmo: defender os Corais da Amazônia dos planos absurdos da petrolífera francesa Total, que pretende perfurar o fundo do mar bem perto dos Corais para extrair petróleo.

>> Assista ao vídeo da ação

A diversidade, a originalidade, a positividade e a determinação foram temas comuns em todas as cidades. Fosse em placas, banners ou adesivos que representavam a biodiversidade na região da foz do rio Amazonas, fosse com um petróleo falso que cobriu corpos, rostos e chão, a mensagem era clara: “Total, tire as mãos dos Corais da Amazônia”.

Voluntários do grupo de Florianópolis (SC) foram a uma praia mesmo debaixo de chuva e frio. (© Bruno Leão / Greenpeace)

 Cerca de 90 ativistas brasileiros mostraram o grande alcance da defesa aos Corais da Amazônia e o posicionamento contra a Total. Eles estavam espalhados em dez cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis, Brasília, São Luís, Manaus, Porto Alegre, Recife e Imbé. Foi o país em que mais cidades aderiram ao movimento. Em São Paulo e em Belo Horizonte, os ativistas foram a postos de troca de óleo da Total. 

A loja da capital mineira estava cheia de clientes, que testemunharam tudo e ouviram sobre os impactos que um vazamento de petróleo poderia causar nos Corais da Amazônia e aos animais que vivem na região. (Foto: © Gabriela Araújo / Greenpeace)

 Os Corais da Amazônia estão em um local de grande biodiversidade marinha. Ainda conhecemos pouco sobre esse ecossistema, que já está em risco porque as petrolíferas continuam com seus planos absurdos para procurar por petróleo próximo a eles.

Na França, 300 ativistas transformaram 20 postos de serviços da Total em recifes de corais “contaminados” pelo petróleo. Claro que, depois da ação, os ativistas limparam toda a área e deixaram tudo como estava antes. Uma tarefa fácil e bem diferente do que seria limpar o mar em caso de um derramamento de petróleo...(Foto:© Pierre Baelen / Greenpeace)

 
Em janeiro deste ano, quando o Greenpeace começou a campanha “Defenda os Corais da Amazônia”, as mobilizações estavam concentradas da França e no Brasil. Agora, mais de 1 milhão de pessoas ao redor do mundo já assinaram a petição pressionando para que a Total e também a petrolífera britânica BP abandonem os planos de explorar petróleo próximo ao ecossistema de corais, esponjas e rodolitos que é único no mundo.

Em São Luis do Maranhão, os voluntários também se cobriram com um petróleo falso, feito de cacau, maisena e corante alimentício. Tudo biodegradável e de fácil limpeza – bem diferente das manchas causadas pelo petróleo que escorrem no mar quando há um vazamento. (Foto: © Cynthia Carvalho / Greenpeace)

Quando governos e companhias falham na função de proteger os recursos naturais, o poder das pessoas é de extrema importância. E é por isso que os voluntários do Greenpeace em seis países se mobilizaram neste final de semana em defesa dos Corais da Amazônia.

Os ativistas de Luxemburgo ficaram na frente de um escritório da Total para serem vistos por quem passava na rua e pelos funcionários. É preciso que todos saibam qual é a empresa responsável caso aconteça um vazamento perto dos Corais da Amazônia ( © Raymond Aendekerk / Greenpeace)

E não é só porque os Corais da Amazônia são um ecossistema único e especial no mundo, mas também porque a exploração – e a posterior queima – do petróleo vai agravar ainda mais as mudanças climáticas. Esses efeitos vão afetar a todos nós, no mundo todo em diferente grau. Por isso, dizemos para a Total: Temos que nos libertar das fontes fósseis!

A mobilização pela defesa dos Corais da Amazônia não vai parar enquanto as petrolíferas não desistirem dos planos absurdos e perigosos de explorar petróleo na bacia da foz do Rio Amazonas. Fique com o Greenpeace nessa campanha. Assine e compartilhe a petição!

Na Holanda, os ativistas colaram adesivos representando os animais que vivem na foz do rio Amazonas, como peixes-bois e tartarugas. Eles poderiam ser impactados pelo petróleo no caso de um vazamento. (Foto: Bas Beentjes / Greenpeace)