Jovens que participam do Projeto Juventude Solar, em Vila Isabel, tiveram sua última capacitação sobre eletricidade e energia solar (©Otávio Almeida/Greenpeace)

 

O final de semana chegou e para os jovens do Juventude Solar foi mais um dia de capacitação e de estudo. Ansiosos para a inauguração oficial das placas solares que foram instaladas no telhado do Centro Comunitário Lídia dos Santos, os jovens lotaram a sala do Centro estiveram em Vila Isabel junto com voluntários do Greenpeace para uma última aula e revisão de tudo que aprenderam desde abril.

Os jovens pareciam estar ligados no 220V e fizeram muitas perguntas sobre eletricidade, energia solar e sobre as placas fotovoltaicas. Quem deu aula hoje foi Gustavo Buiatti, da Econova, empresa que trabalha com instalações de energias renováveis. Depois de explicar como é possível aproveitar os benefícios e o potencial do Sol, houve uma parte prática na qual os jovens puderam entender melhor o funcionamento das placas.

“Precisamos mudar a forma como utilizamos energia elétrica no Brasil e aproveitar o potencial que ainda temos de energia solar. Somos um país iluminado que tem todas as condições para despontar com essa energia”, afirmou Gustavo.  

Durante a apresentação, a questão dos empregos verdes foi abordada e ressaltada. O setor das energias renováveis gera mais postos de trabalho do que as energias fósseis e para mostrar que realmente incentivam o surgimento destes novos postos de trabalho, a Econova disponibilizará duas vagas para os jovens do Juventude Solar para um curso de aperfeiçoamento em energia solar. “Que tipo de emprego é esse?”, perguntaram aos jovens. A resposta estava na ponta da língua e foi dada sem dúvidas: “Verde!”.