Os dois últimos dias foram agitados no Morro dos Macacos, em Vila Isabel. Os jovens do Juventude Solar instalaram as placas solares no telhado do Centro Comunitário Lídia dos Santos junto com os voluntários do Greenpeace Brasil.

Não faltou tarefa para ninguém: todos carregaram placas, parafusaram, moveram blocos de concreto e limparam. Tudo isso realizado com a companhia do Sol que se fez presente – e sentido pela pele dos jovens e pela sensibilidade das placas – durante os dois dias. Parece até que São Pedro resolveu trabalhar também para provar que o Sol pode e deve ser aproveitado para gerar energia.

O Projeto Juventude Solar começou suas atividades em 20 de abril deste ano, quando um grupo de jovens de Vila Isabel passou a participar de aulas e capacitações sobre energia elétrica, eletricidade, energias renováveis e, claro, energia solar.

A teoria aprendida durante seis semanas foi fundamental para que a prática pudesse ser realizada e as placas solares fossem colocadas no Centro Comunitário. Também foi importante para que os jovens aprendessem que o Sol é uma fonte de energia infinita, renovável e limpa e é uma solução viável e acessível para a questão climática, emissões de gases estufa e geração descentralizada de energia.

“Cada vez mais, a energia solar tem se consolidado como uma opção de fonte renovável nas matrizes energéticas. O Greenpeace incentiva o setor de energias limpas e renováveis e tem como um de seus objetivos propagar o conhecimento para que a expansão da energia solar seja possível e que, aos poucos, um mercado para essa fonte seja criado e constantemente alimentado e aprimorado”, afirma Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha Clima e Energia do Greenpeace Brasil.

Além de gerar energia para abastecer o Centro, parte da geração solar poderá ser eventualmente inserida na rede elétrica local para que dê desconto na conta de luz final, como está previsto em resolução da Aneel. É bom para a economia, para a sociedade, gera empregos verdes e ainda demonstra as vantagens da descentralização da energia.

Vânia Stolze, coordenadora do Projeto Juventude Solar, afirma que “se queremos promover mudanças precisamos trabalhar com educação e com jovens. São eles que poderão passar esse conhecimento adiante e realmente tornar o mundo um lugar melhor e mais sustentável. É isso que o Juventude Solar faz com os jovens de Vila Isabel e tenho certeza de que tanto nós [voluntários do Greenpeace] quanto eles saímos diferentes depois dessa atividade.”

Quer saber mais sobre o Projeto? Acesse: www.greenpeace.org.br/juventudesolar