Algumas das marcas citadas no relatório do Greenpeace “A Farra do Boi”, que expôs a ligação entre a produção de carne e artigos de couro com a devastação da Amazônia, já começam a se manifestar na Europa e Estados Unidos.

Adidas, Timberland e Nike admitem adquirir, ainda que em pequenas quantidades, couro do Brasil. A Prada porém disse a imprensa que, dada a baixa qualidade do couro que produz, o Brasil não está entre seus fornecedores.  A sede da Adidas, na Alemanha, informou estar em contato com seus fornecedores brasileiros, dentre eles a Bertin, para que atestem a origem desses produtos.

Após proteso na Itália, a Geox também topou conversar com o Greenpeace.