O Greenpeace e outras organizações da sociedade civil de Papua lançaram hoje um plano de ação para combater o desmatamento crescente na Província de Papua, na Indonésia. O documento também anuncia a criação de uma nova maneira para formular a política, a gestão florestal e os financiamentos necessários para proteger toda a biodiversidade, os povos indígenas que dependem da floresta e o clima global. Um conflito na legislação de gestão das florestas de Papua está causando um aumento do desmatamento incentivado pelas plantações de dendê e a exploração ilegal de madeira. A Província de Papua utiliza uma lei que identifica os direitos dos povos indígenas a terra e aos recursos. Mas, existe outra lei que considera as florestas como propriedades do Estado. Uma das mais ricas biodiversidades do mundo, as florestas de Papua já perderam 40 milhões de hectares. “A única maneira de salvar as florestas de Papua, as pessoas, a biodiversidade e lutar contra a mudança climática, é tomar as medidas necessárias imediatamente. Isto significa que as nações industrializadas devem financiar pelo menos R$ 40 bilhões por ano para proteger as florestas do mundo e também diminuir rapidamente as emissões domésticas. O Presidente Yudhoyono tem que acordar para a crise climática e tomar medidas imediatas para acabar com a corrupção no governo florestal e declarar uma moratória sobre o desmatamento”, disse Yuyun Indradi, do Greenpeace no Sudeste Asiático.