Em protesto na Nova Zelândia, ativistas pedem o fim da caça às baleias © Marty Melville/Greenpeace

 

A 64a Comissão Baleeira Internacional (CBI) terminou hoje no Panamá. John Frizell, coordenador da Campanha de Baleias do Greenpeace Internacional, disse que “mais uma vez, a conservação das baleias na CBI fracassou. Apesar de uma grande maioria achar necessária a criação de um Santuário no Atlântico Sul, uma minoria venceu”.

Frizell ainda comentou o fato de a Coréia do Sul ter apresentando um plano que prevê início da caça as baleias com finalidade científica, aproveitando uma exceção prevista na moratória da pesca comercial a mamíferos aquáticos – o que já é feito pelo Japão, cuja ação é questionada por ambientalistas.

“A Coreia do Sul chocou o mundo usando a CBI como uma plataforma para anunciar um plano para abater baleias em nome da ciência. A maioria dos membros da Comissão se opõem à caça à baleia, mas seus esforços para transformar esta organização estão sendo bloqueados pelo Japão e seus aliados”, afirmou Frizell.

Enquanto o século XX presenciou a maior destruição de populações de baleias da história, hoje, o momento é o de pressionar os governos para que ponham um fim à caça das baleias.