Há 24 anos atrás, em 26 de abril de 1986, um erro humano causou um trágico desastre na cidade de Chernobyl, na Ucrânica, ex-União Soviética. Um teste mal programado levou à ruptura de um reator da usina, o que ocasionou uma imensa explosão que liberou aos ares 100 vezes mais material radioativo do que as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki.

A contaminação se espalhou por boa parte da Europa, onde permanece até hoje, com potencial de ainda fazer muitas vítimas – além das milhares de pessoas que adoeceram, mais de 100 mil mortas. Um erro de 24 anos que perdurará por mais de cem.

Lembrar de Chernobyl é mais do que simplesmente homenagear suas vítimas passadas e futuras. É fazer um alerta para o perigo da energia nuclear no mundo.