O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), que rege o funcionamento e uso das áreas protegidas no Brasil, já completou dez anos. E continua sendo solenemente ignorado. Além das unidades que não são devidamente implementadas, há uma investida pesada de madeireiros, fazendeiros, mineradores e do próprio governo para derrubar as que já saíram do papel. E isso acontece especialmente na Amazônia.

É o que mostra um novo estudo feito pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente (Imazon), lançado nesta segunda-feira. Segundo o trabalho, 29 áreas protegidas na região foram reduzidas ou extintas entre 2008 e 2009, por conta da pressão exercida pelos setores citados acima. O total de florestas perdidas foi de 49 mil quilômetros quadrados. Contrariando o que manda o SNUC, as reduções ocorreram sem consultas públicas ou estudos técnicos. Ou seja, foram feitas na marra. Pra que serve mesmo a legislação, hein?