© Greenpeace/ Rodrigo Baleia

Há 30 dias, Aldo Rebelo, relator da Comissão Especial criada para discutir mudanças no Código Florestal brasileiro, apresentou seu relatório. Os deputados contra as mudanças no documento questionaram o documento, obrigando Aldo a reescrevê-lo. 

Enquanto ruralistas se organizaram para acelerar a votação para ainda esse ano, ambientalistas e sociedade civil se uniram em torno do consenso de que esse importante tema precisa ser debatido com calma, sem as ambições eleitorais desse ano.

A reunião dessa segunda-feira tinha o propósito de apresentar uma segunda versão do relatório, à luz desses questionamentos apresentados.  Acuado entre ruralistas e ambientalistas, Aldo se complicou. Cedeu um pouco ali, outro pouco acolá, e o relatório ficou confuso. Os deputados não tiveram tempo para analisá-lo novamente, o que tumultou a reunião e transferiu a votação para terça, quando, então, foi aprovado. Agora, ele segue para a Câmara dos Deputados.

Nesse ano eleitoral, além de acompanhar os caminhos do relatório, acompanhe também os caminhos dos deputados que votaram contra e à favor das mudanças floresticidas propostas por Aldo.

Quem votou pelas mudanças no Código Florestal:

1. Anselmo de Jesus (PT-RO)

2. Homero Pereira (PR-MT)

3. Luis Carlos Heinze (PP-RS)

4. Moacir Micheletto (PMDB-PR)

5. Paulo Piau (PPS-MG)

6. Valdir Colatto (PMDB-SC)

7. Ernandes Amorim (PTB-RO)

8. Marcos Montes (DEM-MG)

9. Moreira Mendes (PPS-RO)

10. Duarte Nogueira (PSDB-SP)

11. Aldo Rebelo (PCdoB-SP)

12. Reinhold Stephanes (PMDB-PR)

13. Eduardo Seabra (PTB-AP)

 

Quem votou contra as mudanças no Código Florestal:

1. Dr. Rosinha (PT-PR)

2. Ricardo Tripoli (PSDB-SP)

3. Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)

4. Sarney Filho (PV-MA)

5. Ivan Valente (PSOL-SP)