Tripulação prepara para atracagem. Foto: Greenpeace / Lunaé Parracho

Chegamos em Recife cedinho. Eram 6:45 da manhã quando o barco piloto finalmente começou a nos conduzir até o local onde ficaríamos atracados. Além do trabalho habitual de limpeza e manutenção do navio, nas chegadas aos portos precisamos trabalhar na atracagem.

E, para que o open boat de amanhã e domingo aconteça direitinho, já começamos a montagem das barracas e exposições que fazem parte do open boat. Foi necessário retirar todo o material do evento que transportamos dentro do hold pelo crane (o guindaste do Arctic Sunrise).

Retirada do material no hold. Foto: Greenpeace / Lunaé Parracho

Apesar do tempo nublado de Recife, depois de 48 horas de trânsito desde Fortaleza foi recompensador chegar em terra firme. A sensação de se pisar em solo novamente, nos primeiros momentos, é confusa: o balanço do navio fica inerte aos tripulantes, que mesmo em terra firme se balançam de um lado para outro. Mas, quando se tem trabalho a fazer, o balanço fica em segundo plano.

O presidente Lula passou pelo porto também. Foi visitar o Projeto Beijupirá, aqui no porto. E nós não perdemos a oportunidade. Ao passar ao lado do Arctic Sunrise, Lula se deparou com nosso banner, "Salvar o Planeta. É Agora ou Agora", preso à bombordo do navio, pedindo que nosso presidente aja firmemente e tome medidas positivas contra o aquecimento global, durante a reunião da COP em Copenhagen.

Presidente Lula acena para tripulação do Sunrise. Foto: Greenpeace / Lunaé Parracho

Navio da Marinha com Presidente Lula no porto de Recife. Foto: Greenpeace / Lunaé Parracho