© Rodrigo Baleia/Greenpeace

A unanimidade nem sempre é burra. Nesta quinta-feira, os 22 membros do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) decidiram pelo tombamento do Encontro das Águas. Visitado por dez entre dez turistas que desembarcam em Manaus, o encontro dos rios Solimões e Negro – que formam o rio Amazonas – agora é patrimônio nacional.

Junto com o título, vem a proteção. Ameaçado pelo projeto de construção de um porto, o fenômeno está agora blindado por lei, para que nenhum empreendimento desse tipo apareça por ali. Com a decisão do Iphan, o tal projeto, com nome de Porto das Lajes, teve seu licenciamento suspenso. Mas para que a vitória dos rios permaneça, os órgãos responsáveis não podem dormir no ponto daqui pra frente.