Arctic Sunrise é levado sob custódia ao porto de Murmansk, na Rússia. 28/09/2013 (© Dmitri Sharomov / Greenpeace)

 

O Comitê Russo de Investigação informou esta manhã ao Greenpeace que irá suspender a prisão do navio Arctic Sunrise, que permanece sob custódia em Murmansk, na Rússia, desde setembro do ano passado. Na ocasião, ativistas do Greenpeace protestavam contra a exploração de petróleo no Ártico quando tiveram o barco tomado e foram presos pela Guarda Costeira russa.

Segundo Kumi Naidoo, diretor executivo do Greenpeace Internacional, “milhões de pessoas se posicionaram pela libertação dos 30 do Ártico, e hoje finalmente o último membro do nosso grupo pode voltar para casa”. Para ele, o navio foi preso ilegalmente durante protesto pacífico contra a estatal russa Gazprom, primeira empresa a explorar nas águas do Ártico, e não houve justificativa para mantê-lo sob ivestigação por oito meses.

Arctic Sunrise permaneceu sob investigação no porto de Murmansk por oito meses. (©Dmitri Sharomov / Greenpeace)

 

O navio, que está sem reparos desde o ano passado, passará por uma revisão completa para voltar a atuar com ainda mais força. Além da Gazprom, Statoil e Shell também avançam seus planos de explorar a região.

O Comitê estendeu recentemente por mais dois meses a investigação sobre o protesto contra a Gazprom, até 24 de julho. No entanto, os advogados do Greenpeace foram informados inesperadamente sobre a soltura do Arctic Sunrise em reunião essa manhã, em Murmansk. O navio deverá deixar a Rússia nos próximos dias.