segunda-feira, 30 de julho de 2012

O Navio Esperanza está no Alasca para conhecer a vida marinha ameaçada pela exploração de petróleo e pesca industrial. (©Jimi Rezac/Greenpeace)

As pesquisas submarinas feitas pelo Greenpeace na área onde a Shell pretende explorar
petróleo já mostraram provas concretas dos riscos que a atividade oferece a esse ecossistema.
No mar de Chukchi, próximo a uma embarcação da Shell, o piloto de submarino e biólogo
marinho John Hocevar fez as primeiras coletas de corais da região. A equipe está empenhada
em documentar a presença de um grande número de corais durante as prospecções no fundo
do mar.

“Descobrir corais abundantes nas águas do Ártico, exatamente onde a Shell planeja procurar
petróleo em algumas semanas, mostra o pouco que se conhece essa região frágil e única. O
derretimento do gelo do Ártico não é um convite à perfuração no mar, e sim um aviso de que
essa área intocada deveria ser protegida e dedicada à ciência,” disse John Hocevar, biólogo
marinho e diretor da campanha de Oceanos do Greenpeace EUA.

Apesar de a Shell ter declarado ao Washington Post (em inglês) que sabia dos corais no mar
de Chukchi, região onde pretende procurar petróleo, ela não mencionou esse “detalhe” no
relatório de impacto ambiental do seu programa de exploração no Alasca. “O que mais a Shell
não contou ao público sobre as condições ambientais de onde ela pretende explorar petróleo?”
contesta Rick Steiner, professor aposentado de biologia da conservação da Universidade do
Alasca.

Corais em águas profundas são habitats fundamentais para a vida marinha, e têm sido
priorizados como áreas de proteção pelas Nações Unidas e alguns governos. Os corais são
seres de vida longa, crescimento demorado e que são muito vulneráveis a perturbações.

O navio do Greenpeace Esperanza está no Ártico com um submarino do Instituto Waitt para
estudar os habitats marinhos que estão ameaçados pelos planos de perfuração da Shell. A
expedição é parte da campanha “Salve o Ártico”, à qual mais de 1,1 milhão de pessoas já
se juntaram. O objetivo é a criação de um santuário de proteção no Ártico e o banimento da
pesca industrial e exploração de petróleo nas águas da região. Assine a petição no site você também.

Assista ao vídeo sobre a expedição (para ativar legendas em português, clique em ‘CC’):