O presidente da Câmara Michel Temer (PMDB-SP) foi surpreendido ontem à noite por  uma questão de ordem levantada no plenário pelo deputado Edson Duarte (PV –BA). Duarte solicitou informações sobre uma mensagem postada no twitter pelo deputado ruralista Valdir Colatto (PMDB-SC). De acordo com a mensagem, o presidente da Casa havia prometido à bancada da motosserra que o projeto do código florestal será votado em plenário ainda em junho.

Graças ao questionamento de Duarte, Colatto perdeu o jogo político do disse me disse. Ao vivo e sem pudores, Temer o desmentiu em discurso no plenário da Câmara:

SR. EDSON DUARTE (PV-BA. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, agora eu uso a tribuna, com toda a tolerância que é peculiar a V.Exa., pela Liderança do Partido Verde.
Nós fomos surpreendidos, Presidente Michel Temer, agora à tarde, com a informação vinda de uma página do Deputado Valdir Colatto de que teria sido acertado um acordo com V.Exa.

Gostaria de contar com a atenção de V.Exa. porque lhe diz respeito. O senhor teria dado a garantia de que no mês de junho, mês do Ano Internacional do Meio Ambiente, incluiria na pauta de votação desta Casa o famigerado e secreto Código Florestal Brasileiro, a sua mudança e a sua destruição. Se essa garantia foi dada, questiono, em nome do Partido Verde: ao dar V.Exa. essa garantia a um Deputado que também é do PMDB, essa é uma posição do PMDB?

O SR. PRESIDENTE (Michel Temer) - Posso apartear V.Exa. para fazer um esclarecimento definitivo? É o seguinte: fui procurado pelos integrantes da Comissão que cuidou do Estatuto Florestal me pedindo se poderia trazer para a pauta. Eu disse: Questões dessa natureza eu submeto às Lideranças. Eu levo aos Líderes. Se os Líderes aceitarem, eu levo à pauta; se não aceitarem, não levo à pauta. Não faço mais do que faço com todos os demais projetos. Dei uma resposta que é a prática da Casa. Não prometi pautá-la ditatorialmente. Eu disse que, se fosse o caso, traria para o Colégio de Líderes, e os Líderes simplesmente examinariam.

Não é a primeira vez que Colatto mente sobre acordos. Na instalação da comissão especial que discute mudanças no código, em outubro do ano passado, o “nobre” deputado mentiu sobre um acordo de líderes que daria a relatoria da comissão para o deputado Homero Pereira (PR-MT). Caiu do cavalo (a APP desmatada caiu em cima dele). Questionado pelos líderes Ivan Valente (Psol-SP), Edson Duarte e o vice-líder José Genuíno (PT-SP), ele foi pego na mentira e encerrou abruptamente a sessão casando a palavras dos lideres. Se ele mente para seus colegas, imagine as lorotas que ele anda contando para seus eleitores...