A audiência pública da comissão de agricultura do Senado na Assembléia Legislativa do pará, em Belém, transcorreu exatamente como previa o Greenpeace. Não houve debate, mas lamúrias, enxurradas de ofensas e tentativas de terrorismo, insinuando que exigir a necessidade de adequar a pecuária do estado à legislação ambiental é o mesmo que produzir fome. O Greenpeace foi taxado de covarde por não comparecer à audiência – coisa de resto inútil porque em nenhum momento os ruralistas queriam o debate. O Ministério Público Federal, que entrou com 21 ações contra a indústria local da pecuária pedindo indenizações que somam 2, 1 bilhões de reais, foi taxado de irresponsável e ouviu apelos para suspender os processos, diz reportagem da Folha de S. Paulo (só para assinantes). O Valor (só para assinantes) registrou que o Procurador Chefe da República no Pará, José Potiguar, disse que as ações contra os pecuaristas não serão suspensas e serão estendidas à outros estados.