Nesse último sábado, dia 17, o Greenpeace realizou uma atividade em prol do Ártico no Viaduto do Chá, em São Paulo. Quem passou por ali naquela manhã pôde conferir o grafite dos artistas Bonga e Feik, há tempos no circuito da arte de ruas de São Paulo, e a realização de uma foto, para alertar sobre atividades de exploração de óleo indevidas. Grafiteiros e ativistas do Greenpeace fizeram uma interação com o público, em demonstração de apoio à causa.

Queremos denunciar a exploração de petróleo em áreas de alto impacto ambiental. Vazamentos no Ártico são mais prováveis devido às baixas temperaturas e poderiam acarretar danos irreversíveis para o ecossistema da região. O apoio da sociedade civil mundial é a única forma de impedirmos que companhias como Shell, Gazprom e Rosnef prejudiquem as sociedades locais e os animais do Ártico.

Trabalhamos por uma revolução energética mundial, com inversão da relevância do uso de fontes de combustível fóssil. Essa mudança só poderá ocorrer com políticas públicas voltadas para a energia renovável, como eólica, solar e dos mares. A mudança das matrizes energéticas trará benefícios para todo o mundo, com diminuição de poluentes na atmosfera e contenção da velocidade das mudanças climáticas.

Denunciamos o petróleo como principal matriz energética mundial e delatamos a forma como é feita sua extração. Queremos prevenir acidentes e não remediá-los tardiamente e de forma imprópria. No Brasil, a exploração no Pré-sal é feita por plataformas antigas e defasadas, que podem acarretar graves danos em caso de acidentes. No Ártico, as tentativas de exploração poderão causar degelo e consequente desaparecimento da região.

Ajude-nos a criar um Santuário na região do Polo Norte, além das águas territoriais dos países do Ártico. Apoie a moratória da exploração de petróleo no Ártico. Fiscalize a exploração de petróleo em seu país. Impeça que nossa fonte de energia prossiga suja e prejudicial para o todo o globo.

*Fabiana Alves é da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil