Em frente a loja da Levi's em Copenhague, ativistas do Greenpeace desfilam em passarela vertical e pedem que a marca se desintoxique. (©Will Rose/Greenpeace)

Não demorou muito. Foi só lançarmos a campanha para desintoxicar a Levi’s que, algumas horas depois, a maior fabricante de calças jeans do mundo postou uma resposta em seu blog.

E que resposta!

A empresa não negou a presença das substâncias tóxicas em suas peças de roupa, mas afirmou que “não se sabe se os níveis constituem qualquer risco direto à saúde dos usuários”. Além de fazer uma descrição detalhada de todo o trabalho que faz, a Levi’s ainda classificou o problema como “complexo” e falou da importância da ação em grupo.

Enquanto ativistas do Greenpeace Internacional desfilavam em uma passarela vertical próximo a uma de suas lojas, a empresa ainda se ocupava em publicar um plano de ação para limpar os tóxicos de sua cadeia de produção. Infelizmente, isso ainda não é o suficiente.

Marcas como a Zara, Esprit, Mango e Marks & Spencer já firmaram seu compromisso de se desintoxicar até 2020. Para ser levada a sério, a Levi’s precisa seguir a tendência de suas quatro concorrentes e dar um passo a frente em uma passarela livre de tóxicos.

Ainda assim, a resposta da Levi’s mostra a preocupação da marca em ouvir seus clientes em todo o mundo que estão pedindo uma moda sem poluição. O importante agora é transformar essas palavras vazias em ações.

Mais de 100 mil pessoas já se uniram à campanha. Participe também e nos ajude a dar 501 mil motivos para que a Levi’s se desintoxique!

Assine a petição