Aerogeradores do Parque Eólico de Taíba, em Osório, no Rio Grande do Sul. O Estado concentra um grande potencial de geração de energia eólica. (©Greenpeace/Rogério Reis)

 

É possível reforçar ainda mais a importância de se ter um cenário energético sustentável para o Brasil e para o mundo no Dia Mundial do Vento. A energia eólica é um dos carros-chefes que impulsionam o desenvolvimento de energia limpa e, hoje, se mostra muito mais madura e pronta para competir de frente com fontes tradicionais.

O Dia Mundial do Vento serve como mais um apelo para a construção de um Brasil baseado em energia limpa já que ressalta a importância do vento em nossa vida, que dentre diversas funções, pode exercer um papel fundamental para a revolução energética brasileira: suprir grande parte da demanda energética do país de maneira sustentável e auxiliar na descentralização da produção de energia. O governo brasileiro tem planos para instalar campos eólicos em, pelo menos, nove Estados do Brasil.

O estudo Revolução Silenciosa, do Greenpeace, revela que entre 2000 e 2010, 26% de todas as centrais elétricas que surgiram no mundo eram de fontes renováveis, principalmente de energia eólica. E, em 2013, o total gerado de energia eólica no mundo é de 282.500 MW, sendo que o Brasil representa 0,7% desse valor, deixando claro que ainda tem muito espaço para crescer no setor.

Entretanto, não se pode deixar de lado o incentivo crescente que o país tem dado à indústria eólica. Em 2007, praticamente só o parque eólico de Osório, no Rio Grande do Sul, produzia energia com ajuda dos ventos representando 200 MW. Após seis anos, em 2011, registrava-se um aumento de 10 vezes na produção de energia.

Com o aumento da competitividade e a redução dos custos de instalação, a energia eólica continua recebendo incentivos e investimentos: até o momento, contabiliza-se que os parques eólicos instalados no Brasil tenham capacidade instalada de aproximadamente 2.100 MW, mais que o dobro se comparado ao ano de 2011. Espera-se, portanto, que o país supere os 8500 MW até 2016, que já apresenta projetos contratados e alguns até em construção.

É preciso considerar também que esse crescimento está sob ameaça no momento. Com o endurecimento das regras de produção de energia eólica, agora será mais difícil alcançar um taxa de crescimento na área tão grande como foi visto nos anos anteriores. É visível o interesse do governo em favorecer as usinas térmicas, inclusive a de carvão, que voltam aos leilões depois de cinco anos. O percurso ainda é longo, mas temos total condição de transformar o Brasil no primeiro país de matriz energética limpa do mundo. Feliz Dia Mundial do Vento!