Jovens instalam placas solares no telhado do Centro Comunitário Lídia dos Santos, junto com voluntários do Greenpeace, em Vila Isabel - Rio de Janeiro/RJ. (©Otávio Almeida/Greenpeace)

 

Há pouco mais de um ano, o Greenpeace instalou um sistema fotovoltaico no Centro Comunitário Lídia dos Santos, em Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Após semanas de capacitação e treinamento, jovens da própria comunidade do Morro dos Macacos participaram da instalação das 20 placas fotovoltaicas.

Feita a instalação, o próximo passo foi o de regularizar o sistema gerador de eletricidade junto à Light, empresa distribuidora de energia no Rio de Janeiro. Isso porque, desde dezembro de 2012, quando foi editada a Resolução 482 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), qualquer pessoa pode gerar sua própria energia e descontar o valor da eletricidade gerada de sua conta de luz, ao final do mês. Dessa forma, passamos a pagar somente a diferença entre o gerado pelo sistema fotovoltaico e o consumido da rede elétrica.

O processo de regularização foi longo, em parte por causa de burocracia da própria concessionária, em parte por causa da situação atípica do Centro Comunitário, que não possuía um medidor próprio até instalarmos o sistema.

Apesar dos percalços, o sistema foi finalmente conectado à rede elétrica e, agora sim, o Centro Comunitário gera sua própria energia renovável e limpa, que, dentre outras coisas, é usada para iluminar o campo de futebol da comunidade e usada no próprio centro que dá aulas de informática, dança e reforços escolares aos jovens do Morro. 

*Barbara Rubim é da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil