Supermercados estão cada vez mais preocupados em não ter sua marca associada a desmatamento e crimes na Amazônia (FOTO: ©Mattes)

Ninguém gosta de ver seu nome associado a desmatamento e outros crimes na Amazônia. Após os frigoríficos iniciarem um trabalho para rastrear toda a carne de sua cadeia de produção, agora também os supermercados começam a se mexer.

Em matéria publicada nesta quinta-feira pela revista Exame, a rede varejista Walmart promete implementar seu próprio sistema de monitoramento das fazendas que fornecem aos frigoríficos de quem o supermercado compra carne.

De acordo com a reportagem, a cada novo pedido, o Walmart exigirá dos frigoríficos uma lista das fazendas de será responsável por atender essa demanda. A partir de então, cruzará as informações com dados do Ibama de fazendas embargadas, localizadas em territórios indígenas ou unidades de conservação. Também não passarão aqueles fornecedores que constam na lista suja do trabalho escravo.

Após anos de campanha para expor como o avanço da pecuária vem causando a destruição da Amazônia, o Greenpeace acolhe com grande expectativa a iniciativa do Walmart. Porém, ainda aguarda a divulgação oficial com detalhes do novo sistema de monitoramento.